sexta-feira, 31 de agosto de 2012

E aí, qual a boa do final de semana?

Enfim chega o final de semana. Escolha sua programação e boa vadiação!


Sexta, Sábado e Domingo

Araruama/RJ


















Amparo/SP


















Laranjeiras/SE
















Belo Horizonte/MG
















Sexta e Sábado   

Rio de Janeiro/RJ

Santo André/SP


Sexta-Feira

Duque de Caxias/RJ















Sábado e Domingo
Rio das Ostras/RJ
























Sábado
Rio de Janeiro/RJ


















Ribeirão das Neves/MG






Domingo

São Paulo/SP
























Saquarema/RJ


Cambuí/MG















Belo Horizonte/MG


















Rio de Janeiro/RJ



quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Resultado dos Jogos Brasileiros 2012 ABADÁ-Capoeira

Na última semana Cachoeira de Macacu/RJ foi sede dos Jogos Brasileiros 2012 da ABADÁ-Capoeira.  O resultado da Categoria A você confere aqui:
Foto: Keliane Sampaio



Feminino

1º Juma/RJ
2º Trilho/SP
3º Xuxinha/RJ
4º Iguana/SP







Foto: Keliane Sampaio


Peso leve(Instrutor a Professor)

1º Jabuti/RJ
2º Pica-Pau/RJ
3º Kikiu/RN
4º Bode/SC









Foto: Keliane Sampaio



Peso médio(Instrutor a Professor)


1º Fantasma/SP
2º Mandala/PE
3º Perninha/RJ
4º Tubarão Branco/RJ

Foto: Keliane Sampaio





Peso pesado(Instrutor a Professor)

1º Morceguinho/RJ
2º Pretão/RJ
3º Cancão/GO
4º Papagaio/SP







terça-feira, 28 de agosto de 2012

Quando eu tava na mata...



Hoje é aniversário do grande Mestre Mintirinha, que completa 62 anos.

Mestre Mintirinha concedeu uma entrevista para o Blog em Abril desse ano. Pra quem não leu, confere aqui.

Mestre Mintirinha é exímio tocador de berimbau, além de um grande cantador.

Acho que a maior homenagem que pode ser feita a um grande Mestre é divulgar o seu trabalho, porque sua obra reflete o quanto ele se dedica a Capoeira. A obra de um mestre como Mestre Mintirinha ficará para sempre na história da Capoeira. 

Confere no vídeo abaixo a habilidade dele no Barravento.




No vídeo abaixo, trecho de uma palestra do Mestre.

Parabéns, que o seu caminho continue cheio de luz. Felicidades!

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Você sabe o que tá cantando?

Hoje nós temos uma música que é do Gonzaguinha, tem uma versão do Mestre Barrão e outra do Mestre Acordeon.
Diferente do que fazemos sempre, eu não vou colocar o significado das palavras. A ideia dessa vez é comparar as diferentes versões.

Galope



O galope só e bom quando é a beira mar
O galope só é bom quando se pode amar
Esse mote só é bom bem livre de cantar
Falar em morte só e bom quando é pra banda de lá

Refrão:
É sacode a poeira
Imbalança, imbalança, imbalança, imbalança

Casa de ferreiro, espeto de pau
Quem não engole espinha nunca vai se dar mal
Quem não dança minha dança é melhor nem chegar
Se puxou do punhal tem que sangrar
Tem que sangrar tem que sangrar

Refrão

Me dê um cadinho de cachaça...
Me aqueça, me aperte, me abraça...
Depressa, correndo, vem ligeiro
Me dê teu perfume, dê um cheiro
Encoste em meu peito o coração
Vamos mostrar pr´esses cabras como se dança um baião
E quem quiser aprender é melhor prestar atenção

Refrão

Deixa essa criança chorar, deixa essas criança chorar
Não adianta cara feia, nem adianta se zangar
Que ela só vai para quando essa fome passar
... e doutor,uma esmola a um pobre que é são
Ou lhe mata a vergonha, ou vicia o cidadão

Refrão
---------------------------------------------------------------------------------
Sacode a poeira 
(Mestre Barrão)



Sou brasileiro, 
vim das bandas la do Norte,
vim tentar a minha sorte para a vida melhorar,
Eu sou guerreiro e nãoo tenho medo da morte
 capoeira pede sorte eu vim aqui para lutar.

Coro:
E sacode a poeira, e balança, e balança, e balança, e balança. (X2)

Casa de ferreiro, espeto de pau,
Pois não brinca comigo você vai se dar mal,
Dou cabeçada, meia lua, rasteira, e se entrar eu dou de berimbau,

Capoeira que é bom não vai embora,
 capoeira que é bom não foge do pau
Oi levanta a poeira aia

Coro

Sou brasileiro, vim das bandas la do Norte,
 vim tentar a minha sorte para a vida melhorar,
Eu sou guerreiro e não tenho medo da morte 
capoeira pede sorte eu vim aqui para lutar.

Coro

-----------------------------------------------------------------------------


E sacode a poeira
(Mestre Acordeon)


Coro
Eh sacode a poeira, e balança, e balança, e balança 
Eh sacode a poeira, e balança, e balança, e balança 

Meu berimbau é feito de beriba, 
uma cabeça bem maneira, 
Mestre Bimba que me deu. 
Entra na roda, 
abre o peito e sai falando toca Iúna e banguela 
mostra o som que Deus lhe deu. 

Coro

-----------------------------------------------------------------------------------------
Eu conheço uma outra versão, que foi a primeira que eu ouvi e aliás, era a que eu cantava até hoje. Não sei quem é o autor e também não achei áudio, mas vou deixar a letra pra vocês. 
Se souberem quem é o autor, ou conhecendo outras versões, entrem em contato aqui nos comentários.
Lembrando que na Capoeira é muito comum as músicas se distorcerem de roda em roda, cada um entende de um jeito e repete da maneira que acha que é, então eu não estou livre de ter errado a letra e nem dessa versão ser uma distorção da música de alguém. 


Sacode a poeira
(autor desconhecido)

Casa de ferreiro espeto de pau,
Não se meta comigo ou vai se dar mal,
Eu dou armada, dou rasteira,
eu dou rabo de arraia,
e se ficar de pé, 
eu dou com o berimbau.
Capoeira que é bom não foge da luta,
Capoeira que é bom não foge do pau,
Camarada, eh, oh

Coro
Eh sacode a poeira, e balança e balança e balança


quinta-feira, 23 de agosto de 2012

E aí, qual a boa do final de semana?

Ai gente, eu sei que o Blog tá meio abandonadinho, mas eu estou mesmo numa fase muito complicada, tá difícil manter as atualizações do Blog com a frequência que eu gostaria. Bom, pelo menos os eventos eu me comprometo a não deixar faltar, ok? 
Estou adiantando a postagem, que seria sexta, porque amanhã não terei tempo e não quero deixar vocês sem a programação do final de semana.

Bom final de semana e muita vadiação! Axé!

Unaí/MG












Cachoeira de Macacu/RJ


Quinta a Domingo
Brasília/DF















Fortaleza/CE
























Sexta, Sábado e Domingo

Belo Horizonte/MG

Fest Nacional - Batizado e troca de graduações - Capoeira Mandinga Mineira

Programação:
Sexta feira

20hs - Roda de abertura para convidados
Local: Praça Sete (centro de BH)

Sábado

09:30hs - Curso vivência no mundo da capoeiragem (Mestre Tyson)
Investimento R$ 25,00 ou R$ 35,00 com camisa.

14hs – Apresentações,batizado e troca de graduações
Local: Quadra do Colégio Frederico Ozanam
End: Rua Jêronimo Monteiro, 48 Boa Vista


Domingo
10hs – Batizado Infantil e Roda de encerramento do evento
Local: E. M. Luiz de Bessa
End: Rua Asa Branca Bairro Goiânia A
São Paulo/SP
















Sexta-Feira
Rio das Ostras/RJ


Sábado
Vila Velha/ES
























Goiânia/GO













Domingo
Sorocaba/SP
























Taboão da Serra/SP
























Rio de Janeiro/RJ

















sexta-feira, 17 de agosto de 2012

E aí, qual a boa do final de semana?

Muita vadiação espalhada pelo nosso país, aproveitem bastante. Axé!
Em Goiania já tá rolando desde terça-feira.
Goiania/GO

























Em Salvador a festa não acaba com o final de semana, o evento vai até a terça-feira da próxima semana.

Salvador/BA

Sexta, Sábado e Domingo

Araruama/RJ


Campinas/SP

















Sexta-Feira

Rio de Janeiro/RJ

19hs - Roda de mês do Instrutor Taurus - Capoeira Terranossa

Local: Associação Vila Brasil. Magalhães Bastos

Sábado e Domingo

Minas Gerais


Sábado

Teresina/PI















Bom Jardim de Minas/MG



Campinas/SP

Itapevi/SP










Domingo
Belo Horizonte/MG










São Bernardo do Campo/SP
















São João de Meriti/RJ


quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Entrevista

MESTRE MURALHA

Associação Capoeira Manduca da Praia


Capoeirista desde a primeira infância, Daniel Edgar Maia Pereira nasceu em São Paulo/SP e lá começou seu aprendizado, sempre apoiado pela mãe. 
Hoje prestes a completar 34 anos, está vivendo na Colômbia, onde mantém um trabalho que já rendeu seu primeiro CD solo.
O Mestre falou sobre tudo, sobre a carreira no MMA, sobre família e principalmente sobre sua trajetória na Capoeira.
Imperdível!
*A entrevista a seguir foi realizada em Agosto de 2012 e é inédita e exclusiva do Blog Capoeira de Toda Maneira  

(Maíra Gomes) - Como o senhor começou na capoeira?

(Mestre Muralha) - Quando eu tinha 4 para 5 anos de idade, eu via o Mestre Meinha treinando na academia que era do lado da minha casa, mas não tinha dinheiro para pagar. Eu ficava todos os dias na frente da academia vendo os treinos, depois me mudei para Embu das artes, onde eu comecei a treinar no grupo do Mestre Alcachofra, com o Contramestre Paraíba, aos 5 anos de idade.

(Maíra Gomes) - Quem o apelidou de "Muralha" e por quê?

(Mestre Muralha) - O meu primeiro apelido era Limpinho, porque eu nunca me sujava na capoeira. Eu treinava muito, saltava, mas nunca me sujava. Depois quando eu fui fazer parte do grupo Abadá-Capoeira, eu fiz um teste para uma propaganda que falava que o goleiro era uma muralha, e todos da rua começaram a me chamar de Muralha. A partir daí tive que fazer jus a meu apelido, treinar, treinar e treinar, e ficou Muralha na Capoeira.

(Maíra Gomes) - Conte um pouco da sua trajetória na capoeira até chegar ao grupo Terranossa: (Mestre Muralha) – Bom, meu mestre é o Mestre Meinha do Grupo Cruzeiro do Sul, porque sempre foi o meu ídolo, desde os 5 anos de idade.

Quando eu saí do grupo do Mestre Alcachofra, a Abadá tinha acabado de chegar a São Paulo. Eu era muito novo e vi que aquela Capoeira tinha muita coisa diferente da Capoeira que eu tinha. Era mais elegante, bonita e objetiva. Eu via que tinha que treinar essa Capoeira diferente, para ter uma melhora.
 Foi aí que eu falei pra minha mãe me tirar do meu antigo grupo e me colocar na Abadá-Capoeira. Depois de muitos anos treinando na Abadá, por motivos de força maior eu me retirei do grupo, buscando um novo caminho em minha vida.
Pedi a opinião pro meu Mestre Meinha, em qual grupo eu poderia me adaptar melhor e ele me falou Muzenza. Eu já conhecia o Mestre Jaguara, mas não tinha contato com ele. Através de um amigo fui falar com o Jaguara e ele me levou para Curitiba para falar com o Mestre Burguês, onde fui bem aceito no grupo.
O Grupo Muzenza e o Mestre Burguês me lançaram no mundo da Capoeira. Através deste grupo conheci toda Europa e outros paises da América do sul. Cheguei a ser Vice-Campeão Mundial de Capoeira, em um campeonato aberto que tinha vários grupos, com 2 mil participantes e fiquei em 2º lugar. Fui capa da Revista Capoeira, saí na Revista Cordão Branco, na matéria Bate Palma pra ele. Logo depois, por motivos de força maior, eu me retirei do Grupo Muzenza e me dediquei a treinar Jiu-Jitsu e MMA, onde fiz varias pelejas (lutas) na Espanha, Suécia e Rússia.
Eu já treinava tudo isso antes, mas depois da minha retirada do Grupo Muzenza, foi que eu me meti de cabeça nos treinos. Depois de 1 ano parado de Capoeira, pensando o que eu ia fazer da minha vida, montei um grupo. Manduca da Praia foi fundado no Brasil, São Paulo, fazendo e construindo uma estrutura sólida.
Saiu uma boa proposta para unir o grupo com o Mestre Cid (Presidente da Associação Terranossa de Capoeira) e fizemos essa grande união. Me sinto muito bem no grupo, tenho trabalhos no EUA, Colômbia, Peru e México e iremos abrir mais caminhos para todos do grupo.

(Maíra Gomes) - O senhor tem muitas músicas gravadas em CDS de grupos por onde passou e recentemente lançou o seu trabalho solo. Como é o processo de composição das músicas?

(Mestre Muralha) - Fazer músicas é difícil, tem que ter conhecimento da Capoeira, fundamento e ao mesmo tempo ser historiador da Capoeira. As músicas têm que ter fundamento, melodia e sentimento. Fiz vários trabalhos no Grupo Muzenza, onde me tornei famoso como cantador de Capoeira. O meu trabalho solo foi muito difícil, porque eu, como vivo na Colômbia, fiz o CD só com colombianos. Foi difícil mesmo na parte do idioma, mas conseguimos fazer um bom trabalho, que esta sendo reconhecido em todo o mundo.

(Maíra Gomes) - Quando podemos esperar um trabalho novo?

(Mestre Muralha) - Estou falando com o Mestre Cid para organizar o CD do Terranossa,
porque acho que esta faltando isso para o grupo neste momento.

(Maíra Gomes) - Como foi a decisão de sair do país?

(Mestre Muralha) - Foi difícil, mas os capoeiristas como eu, gostam de desafios e conquistas. Sempre fui uma pessoa que não tem medo de perder, porque estou preparado para perder. Se eu ganhar será melhor, mas tenho a minha academia própria aqui na Colômbia e está indo bem, graças a deus.

(Maíra Gomes) - Foi difícil se adaptar ao novo país?

(Mestre Muralha) – Sim. Foi difícil mesmo todos pegarem confiança, conhecer comida. Tudo é difícil no começo, mas depois isso vai sendo normal, vira rotina de uma vida de trabalho.

(Maíra Gomes) - Como está a capoeira na Colômbia?

(Mestre Muralha) - A Colômbia tem um ótimo nível de capoeira, bons cantadores. Claro, a Capoeira aqui está nova ainda, só tem vinte pessoas que trabalham com Capoeira, mas está em um bom caminho.

(Maíra Gomes) - O senhor é casado com a Professora Rapadura. O senhor acaba sendo mais exigente com ela, pelo fato dela ser sua esposa além de aluna?

(Mestre Muralha) – Sim, e muito, mas não confundo a aluna com a esposa. Eu acho que a gente tem que saber separar tudo na vida e saber respeitar o espaço de cada um, dentro e fora da Capoeira.

(Maíra Gomes) - Quem são seus ídolos na capoeira?
(Mestre Muralha) - Tenho vários, Mestre Meinha, Mestre Tucano Preto e Mestre Camisa. Mestre Meinha, meu mestre e meu ídolo desde pequeno. Mestre Tucano Preto, eu treinei com ele na época da Abadá-Capoeira, um amigo, uma pessoa que me ajudou muito. Mestre Camisa é uma pessoa fundamental para capoeira de hoje.

(Maíra Gomes) - Vamos falar um pouco de MMA. Como o senhor acabou se envolvendo com essa modalidade?
(Mestre Muralha) - Eu só treinava Capoeira, mas sempre estava vendo os treinos de Jiu-Jitsu e de MMA que tinha na academia. Eu tinha 14 anos de idade e tinham ido uns lutadores treinar lá com o Professor Marcos Pierine, e ele me falou que eu podia ajudar no treino, fazendo Jiu-Jitsu com eles e lutando com eles. Mas eu não sabia nada, mas mesmo assim a minha agilidade de capoeirista sobressaiu com eles que treinavam todos os dias. MMA é que já tinha lutado várias vezes, eu demonstrei que a capoeira também era luta, dando martelo, ponteira e cotoveladas. O professor de Jiu-Jitsu começou a me apoiar para treinar mais isso e hoje eu sou faixa preta de Jiu-Jitsu da Equipe Marcelo Ribas Team, de Minas Gerais e praticante de Muay Thai desde os 17 anos.

(Maíra Gomes) - Quais são os seus resultados no octógono?

(Mestre Muralha) - 19 lutas, 8 derrotas e 11 vitórias.

(Maíra Gomes) - Que outras lutas o senhor pratica para lutar MMA?

(Mestre Muralha) – Jiu-Jitsu e Muay Thai

(Maíra Gomes) - Voltando a falar de capoeira, qual a sua opinião sobre os Fights de capoeira?

(Mestre Muralha) - Eu acho bom, mas não podemos confundir um campeonato com as rodas dos eventos. Muita gente gosta de dar espetáculo nos eventos, isso está errado. Temos que pensar bem antes de fazer isso. Eu acho que tem momentos certos, onde os guerreiros devem guardar as armas de guerra para trazer boas energias e paz. Para isso temos que ter também esse evento de Capoeira Fight, mas temos que preservar também as técnicas de nossa arte Capoeira.


Contato:

https://www.facebook.com/mestremuralha.terranossa?fref=nf

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Campinas/SP recebe o evento Agosto da Capoeira


Evento começa na próxima quinta-feira e promete 120 horas de Capoeira aos participantes.



Aquele que não puder passar o final de semana no evento, terá a opção de participar apenas no domingo, quando haverá aulão com Mestre Tucano Preto e a troca de graduações e formatura.
Além de desfrutar de todo lazer do Hotel Fazenda Solar das Andorinhas, a participação inclui café da manhã e almoço. O valor para domingo será de R$100,00.
Lembrando que a lista de convidados do evento inclui Capoeiristas renomados. Estão confirmados Mestre Luís Lopes Machado "Filho de Mestre Bimba", Mãe Biloca "filha de Mestre Bimba", Mestre Gladson de Oliveira - Universidade de São Paulo-USP, Mestre Jair Aniceto - Universidade de Campinas - UNICAMP, Mestre Franja -SP, Metre Buiu -SP, Mestre Kaco-SP, Mestre Marrom - SP,  Mestre King - RJ, Mestre Monsueto - SC e Contramestre Paçoca - Áustria.

Fique de olho na Programação:

Sexta-feira 17/08

15hs - Check-in das hospedagens
18hs- Abertura do Encontro Internacional Agosto da Capoeira-(Pavilhão Roda D´ Agua)
19 à 21hs - Jantar
22hs - Fogueira da noite dos Tambores (próximo a estrada do bambuzal)

Sábado 18/08

06:30 às 09:00 - Café da manhã
09:30hs - Palestra com Mestre convidado (Pavilhão Minerva)
10 hs - Oficina de Capoeira com mestre convidado (Pavilhão Minerva)
12:00 às 14:00 - Almoço
15hs - Oficina de Samba de Roda (Pavilhão Roda da agua)
16:00 às 17:00 - Café da Tarde
17 hs -Palestra com mestre convidado (Castelo)
19:00 às 21:00 - Jantar
22 hs -Chá dos Escravos
22:30hs - Fogueira da noite dos Tambores(próximo a estrada do bambuzal)

Domingo 19/08

06:30 as 09:00- Café da manhã
09:30hs - Aulão de capoeira com Mestre Tucano Preto(Pavilhão Roda D´agua)
10:30hs - Festa da Capoeira " troca de graduações e formatura"(Pavilhão Roda D´água)
12:00 as 13:30- Almoço de confraternização
17hs- Encerramento Geral.


Saiba mais sobre o evento e seus organizadores na matéria completa.

De volta com nossa programação normal



Ontem nós não tivemos a seção "Você sabe o que tá cantando?", porque eu passei o dia  todo ajeitando umas coisas aqui no Blog. Mas na próxima segunda a seção volta normalmente.
Se vocês repararem, eu republiquei todas as entrevistas dos mestres na página principal. Dessa forma, quando você acessar a página Entrevistas, terá o link para cada Mestre, e assim acho que ficou mais organizado do que antes.
Eu não tenho grandes habilidades com essa parte de programação, e mesmo o Blogger facilitando muito esse trabalho, eu ainda não estou 100% satisfeita com o layout do Blog. Vamos ver se consigo melhorar a acessibilidade dele daqui pra frente.
Aceito sugestões, o que você acha que pode melhorar aqui no Blog?


segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Entrevista


MESTRE FRANJA
Rede Anca- Núcleo Abaeté



Adilson de Oliveira Ireno nasceu em 26 de Fevereiro de 1970. Mestre Franja foi como ficou conhecido nas rodas de Capoeira de sua cidade Natal, Descalvado/SP e posteriormente em Campinas/SP, onde mantém um trabalho muito respeitado. Casado, pai de cinco filhos, o mestre é responsável pelo núcleo Abaeté da Rede Anca de Capoeira. Mesmo sem o apoio de sua família ele seguiu na Capoeira e espera que ela possa retomar sua posição na luta pela igualdade.


*A entrevista a seguir foi realizada em Julho de 2012 e é inédita e exclusiva do Blog Capoeira de Toda Maneira 

(Maíra Gomes) - Como foi seu primeiro contato com a Capoeira?

(Mestre Franja) - Eu vi a capoeira pela primeira vez em uma praça da cidade de Descalvado/SP. Era uma roda de inauguração da primeira academia de capoeira da cidade. O nome do grupo era capoeira Angolinha,  mestre Ouriço(Jânio).

(Maíra Gomes) -  Por que o apelido de Franja?

(Mestre Franja) - O meu apelido vem do Franjinha da Turma da Mônica. Ficou no diminutivo por um bom tempo.

(Maíra Gomes) -  Sua família te incentivou a treinar?

(Mestre Franja) - Não. No começo meu pai ficou muito bravo e falava que era coisa de malando. Até hoje minha mãe fala pra eu deixar pra lá.


(Maíra Gomes) -  Em que ano ocorreu seu reconhecimento de mestre?

(Mestre Franja) - Eu peguei a minha primeira corda de mestre em 1994. Era aquele sistema da cor da bandeira. Peguei o 1° cordão branco de ponta verde, mas eu achava que era muito novo para ser mestre e não falava que era. Sempre pensei que para ser mestre tem que ter vários atributos (experiência de vida, conhecimento pessoal e da capoeira principalmente, entre outros...). Eu comecei a assumir depois que conversei com o M. Buiu e M. Kaco. Meus formandos já me cobravam isso há algum tempo. No meio dos capoeiristas já me chamavam de mestre.  Voltei a usar há 5 anos mais ou menos.


(Maíra Gomes) -  Por que fundar a Associação Cultural Brasileira Capoeira Abaeté?

(Mestre Franja) - Eu fundei um outro grupo antes do Abaeté chamado Capoeira Mareja, que tive alguns problemas com ele e fique desanimado. Mas com o apoio dos meus amigos e alunos resolvi dar prosseguimento a minha ideia do Mareja e fundei o Abaeté. Fundamos em 2009.
Capoeira Abaeté nasceu na cidade de Campinas/SP com o intuito de estimular, valorizar e desenvolver a prática da Capoeira, contribuindo com as pessoas que se identificam com a arte brasileira, no sentido de um desenvolvimento global do indivíduo, respeitando os aspectos motores, cognitivos e afetivos de cada um.
O nome é de origem Tupi, Abaeté (Abá-etê), significa homem de respeito; Abaeté para nós:, seres humanos de respeito.



(Maíra Gomes) -  Hoje o senhor faz parte da Rede Anca, núcleo Abaeté. O que motivou a adesão?

(Mestre Franja) - Sim faço parte. M. Buiu  e eu já tínhamos a ideia de fazer um trabalho juntos, então encontramos o M.  Kaco que tinha o mesmo pensamento e se identificou com as nossas ideias. Depois de um tempo fizemos essa adesão.

(Maíra Gomes) -  A Capoeira ainda te surpreende depois de todos esses anos?

(Mestre Franja) - Sim, pois a capoeira é uma arte que está em pleno desenvolvimento. Eu acredito que a capoeira vai se modificar muito mais ainda.


(Maíra Gomes) -  Quem são seu ídolos?

(Mestre Franja) - Mestre bimba e Mestre Pastinha


(Maíra Gomes) -  Quais as principais conquistas que a Capoeira te proporcionou?

(Mestre Franja) - São várias. Um conhecimento diferencial, onde você consegue sobressair em diversas situações; Realização pessoal; Bem estar físico e mental.

(Maíra Gomes) -  O senhor vive de Capoeira, ou além de dar aulas tem outro trabalho?

(Mestre Franja) - Eu não vivo da capoeira, mas teve uma época que já vivi. Hoje dou aula a noite, trabalho de eletricista de autos e tenho uma loja de fotografia.

(Maíra Gomes) - O senhor é casado com a Professora Sinhá e seus filhos também praticam Capoeira. O senhor conheceu sua esposa na Capoeira ou ela começou a praticar depois?

(Mestre Franja) - Sim sou casado com a Professora Sinhá.  Antes de ser casado com a Sinhá, eu tive um relacionamento, do qual tenho três filhos que não praticam capoeira. E agora tenho com a sinhá mais dois filhos que praticam. Ela treinava num lugar que eu dava aula. A nossa História começou no dia do aniversário dela.  Fizemos uma festinha surpresa pra ela e acabamos ficando juntos. Namoramos por um ano, depois casamos e estamos juntos até hoje, que já faz 15 anos de muitas histórias.

(Maíra Gomes) -  Como está a Capoeira em Campinas?

(Mestre Franja) - Aqui em Campinas a Capoeira está estável. Cada grupo fica no seu trabalho. Às vezes tem roda no centro de Campinas, aonde a gente se encontra.

(Maíra Gomes) -  O senhor acha q a Capoeira já conquistou seu lugar de direito na nossa sociedade?

(Mestre Franja) - Não. A Capoeira sofre com alguns preconceitos e desvalorizações  perante a sociedade mais favorecida. Vejo que a capoeira deveria retomar o seu processo de movimento revolucionário em nossa sociedade. Pois na nossa história a Capoeira sempre teve um papel de defender os menos favorecidos e hoje ficou ligada a visão de grupos (escravizando os seus adeptos) enfatizando o melhor atleta ou o melhor grupo. A capoeira como um movimento de transformação política, contra esta política dominadora da massa. Assim voltava a sua origem de movimento de luta da libertação da massa menos favorecida. 

(Maíra Gomes) -  O que significa para o senhor ser mestre?

(Mestre Franja) - Para min a palavra mestre é ligada diretamente a sabedoria mental e espiritual, e ao corpo físico. E pouco ligada a status .
Ser mestre de capoeira é uma responsabilidade muito grande, pois você é exemplo para todos os demais e principalmente para os seus alunos.  

Contato:

https://www.facebook.com/mestre.franja?fref=ts

Entrevista


MESTRE CATITU
                      Associação Herança Cultural


Carlos Alberto Lanatovitz, ou simplesmente Mestre Catitu, nasceu em Guarulhos/SP em 16 de Setembro de 1969. Aos 11 anos descobriu sua grande paixão: A Capoeira. E foi com os Mestres Peixe e Espanto que completou seu aprendizado. 
Vice-Campeão brasileiro, Tri-Campeão paulista, Tetra-campeão guarulhense, entre outros títulos, mas para ele sua maior realização é o reconhecimento e respeito da comunidade capoeirística. Conheça melhor o fundador e presidente da Associação Herança Cultural.

*A entrevista a seguir foi realizada em Junho de 2012 e é inédita e exclusiva do Blog Capoeira de Toda Maneira

(Maíra Gomes) - Conte como foi o seu começo na Capoeira:

(Mestre Catitu) - Comecei a capoeira em 1980 por intermédio do meu irmão mais velho que já havia treinado, me identifiquei e nunca mais parei.

(Maíra Gomes) - O que te atraiu na Capoeira?

(Mestre Catitu) - O que mais me chamou a atenção, me atraindo para a capoeira foi a beleza plástica dos movimentos e principalmente a musicalidade.

(Maíra Gomes) - Por que Catitu? Quem deu esse apelido?

(Mestre Catitu) - Catitu, Cateto, Caititu, Significado "porco do mato". Quando comecei a treinar tinha o cabelo arrepiado e avermelhado nas pontas, Mestre Peixe aqui de São Paulo tinha um chaveiro com a calda de um Catitu, foi daí que veio meu apelido. Dizia ele que meu cabelo era de Catitu.

(Maíra Gomes) - O senhor fundou a Associação Desportiva e Cultural Guerreiros de Zumbi, que mais tarde tornou-se Associação Herança Cultural. O que fez com que o senhor fundasse um grupo?

(Mestre Catitu) - Meus Mestres Espanto e Peixe fecharam a Associação Quilombo dos Palmares e eu continuei por um tempo levando o nome por onde passava. Muitos amigos e alunos me incentivaram a abrir meu trabalho, como tinha muita didática e gostava muito de ministrar aula, resolvi abrir meu próprio trabalho.

(Maíra Gomes) - O que gerou a necessidade da mudança de nome? Mudou algo na sua forma de trabalhar?



(Mestre Catitu) - A princípio não iria mudar o nome, pois sempre achei um nome muito forte e que me trouxe muitas alegrias, mas na época havia uma associação com o mesmo nome. Fizemos então um concurso, e Herança Cultural ganhou. Mudamos radicalmente, já vinhamos trabalhando um padrão mais dinâmico e sequência de treinamentos diferenciadas nas aulas, criamos um padrão.

(Maíra Gomes) - O senhor está satisfeito com a projeção da Associação Herança Cultural, ou ainda tem algo que almeja?

(Mestre Catitu) - Sim, estou muito satisfeito. Nosso grupo já foi bem maior, mas acho que essa fase é uma das melhores. Hoje consigo estar mais próximo de quase tudo do meu grupo e posso ver mais de perto o que acontece. Penso sempre na renovação pra não se apegar e depois sofrer.

(Maíra Gomes) - Entre os vários títulos que o senhor conquistou ao longo da sua jornada, qual o senhor considera o mais importante?

(Mestre Catitu) - Bom, graças a Deus conquistei quase tudo que um capoeirista almeja nessa estrada. Acho que o mais importante é ser reconhecido pela comunidade e principalmente pelos grandes Mestres, esse é o maior título.

(Maíra Gomes) - Quem são seus ídolos na Capoeira de ontem e de hoje?

(Mestre Catitu) - Meus ídolos são muitos. Vou dizer alguns aqui pra representar todos, Mestres João Grande, Mestre Acordeon, Mestre Canhão de Bimba, Mestre Suassuna, Mestre Lobão. Da minha geração e que tenha o maior respeito, Mestre Maurão, Hulk, Rã, Fran, entre outros tantos.

(Maíra Gomes) - Quantos Mestres o senhor já formou e que características um mestre precisa ter para receber esse reconhecimento dentro da Associação Herança Cultural?

(Mestre Catitu) - A proposta é formarmos o terceiro Mestre o ano que vem, quanto mais tempo vivo na capoeira aprendo que a Maestria deve ser conquistada a cada dia. Em nossa escola mantemos um padrão hoje, que só formamos um Mestre com idade minima de 40 anos de idade e 25 anos de capoeira.

(Maíra Gomes) - O senhor é casado? Tem filhos? Se sim, eles praticam Capoeira?

(Mestre Catitu) - Sim sou casado e tenho um filho de 15 anos que treina desde os 04 anos.

(Maíra Gomes) - O senhor vive só de Capoeira? Já teve outras profissões?

(Mestre Catitu) - Não, sempre trabalhei paralelamente a capoeira. Não é fácil, mas assim me deixa mais seguro quando vêm as fases ruins.

(Maíra Gomes) - O senhor se considera um mestre rígido?

(Mestre Catitu) - Sim, mais já fui bem mais. Gosto das coisas certas, acho que devido a ter sido militar, isso contribuiu um pouco (risos).

(Maíra Gomes) - Dentro da Capoeira nós temos muitas outras manifestações, como maculelê, samba de roda e etc. Qual a sua preferida?

(Mestre Catitu) - Dentro dessas manifestações que andam paralelamente a Capoeira, gosto muito do Samba de Roda. Não Sambo muito bem mais gosto (risos).

(Maíra Gomes) - Pra finalizar, qual o maior ensinamento que recebeu do seu Mestre e o que faz questão de passar para seus discípulos?

(Mestre Catitu) - O Mestre sempre foi muito sério. Seriedade no que faz. Eu sou assim, sei dividir muito as coisas. Quando falo de capoeira sou o Mestre, mas também sou o amigo na hora que precisam. Falo sempre a meus alunos, temos limites, não somos ruins, ruim é aquele que não treina. 


Contato:

https://www.facebook.com/MestreCatitu?fref=ts

Você pode gostar